Native Golf Services | native@native.golf | +351 919 533 033

CASE STUDIES - MENTES CRIATIVA

ideias inovadoras para gestores de operações

Aerificar sem estragar?

16/03/2017

Jamie Kizer, um greenkeeper do Texas, tendo como a maioria de nós um budget baixo, viu-se obrigado a mudar a sua estratégia de manutenção do campo de golfe. 


Sem budget para fazer a furação, compra de fertilizantes, de fitofármacos e compra de areia:


- Adoptou um programa biológico baseado em composted teas para melhorar a flora microbiana. (esteve 5 anos sem usar fungicidas e insecticidas).


- Investiu na notória Air2G2. Trata-se de uma máquina que ao inserir as suas agulhas no solo verticalmente, a uma profundidade que pode variar entre 18-30 cm, vai fraturar o solo com uma injecção de ar a alta pressão. O solo fica descompactado originando uma explosão da flora microbiana e permite uma maior mobilidade das raízes assim como a sua oxigenação, sem interferir no jogo. 

Protetor solar para as plantas, porque não?

16/03/2017

Scott May, um greenkeeper de Filadélfia, teve uma ideia a que chamou "idiota”:



-Experimentou os ingredientes de um protector solar (óxido de zinco e dióxido de titânio) no seu campo de golfe e obteve resultados surpreendentes. O objectivo seria reduzir a murchidão, as manchas secas e aumentar a saúde da relva protegendo a sua hidratação. 


A solução: 
Criou o produto “Turf Screen”. É um protector solar para relvados que dispersa e absorve os raios UV, deixando entrar apenas a luz solar necessária para a fotossíntese. Para além desta vantagem, poupa ainda no uso da água de rega e no custo de mão-de-obra que teria a regar por satélite ou mangueira. 

Método standard para aplicação de fertilizantes. Será necessário?

16/03/2017

Jason Haines, um greenkeeper do Canadá, foge às aplicações standartizadas de fertilizantes Primavera/Inverno:



Apenas fertiliza o campo quando as temperaturas são ótimas para o crescimento da relva. 

-Usa a temperatura para prever o potencial de crescimento e estimando assim as necessidades de azoto. Se a relva não cresce é porque estão temperaturas muito altas ou muito baixas. Portanto não se deve forçar o seu crescimento nestas épocas de stress. 
-Aplica 90% da fertilização anual entre Junho e Setembro. De Outubro a Maio faz aplicações mínimas. Em Agosto gasta apenas 30 € na fertilização dos greens. 
-Até agora não encontrou desvantagens. Tem menos doenças e reduziu 30% no custo dos fitofármacos. 

1 / 1

Please reload